Review – Buffy: A Caça-Vampiros ( 1992 ).

Por Calil Neto

22 de outubro de 2017

Você conhece o seriado Buffy: A Caça-Vampiros estrelado por Sarah Michelle Gellar ? O seriado com produção da FOX era exibido com freqüência na tela da Rede Globo no final dos anos 90, e é baseado no longa homônimo também produzido pela FOX de 1992 dirigido por  Fran Rubel Kuzui com roteiro do grande Joss Whedon, criador e um dos diretores da série produzida entre 1997 e 2003, e que viria a ser o diretor e roteirista de Os Vingadores de 2012 e a seqüência Vingadores: Era de Ultron de 2015  para a Marvel, além de substituir Zack Snyder na direção de Liga da Justiça de 2017, após o falecimento da filha de Snyder.

 

 

A caçadora de vampiros Buffy no filme é interpretada pela atriz Kristy Swanson e é recrutada por Merrick, interpretado pelo grande ator Donald Sutherland do clássico Os Invasores de Corpos  de 1978. De tempos em tempos ele vem recrutar a escolhida para ser a caçadora de vampiros. No elenco também tem Hilary Swank , no papel da estudante Kimberly e David Arquette na pele do recém vampiro Benny, ator que seria um dos grandes destaques da franquia para o cinema de Wes Craven, Pânico.

Para quem curtiu a série e quer conhecer a origem da série vale a pena o filme, apesar de o seriado ser bem mais sofisticado que o longa. Outra razão para assistir é ter o veterano Donald Sutherland no elenco.

 

Nota: 3,0 de 5,0.

 

Anúncios

Review- Blade Runner 2049 (2017).

Por Calil Neto

19 de outubro de 2017.

Conferi no cinema em 3D Blade Runner 2049, sequência do clássico dos anos 80, de Ridley Scott, um dos maiores diretores do cinema norte-americano. Desta vez Ridley Scott ficou apenas na produção e Denis Villeneuve , um dos novos queridinhos de Hollywood ( Lembra de A Chegada, ganhador do Oscar de melhor edição de som em 2017 ? ) , assume a direção. CUIDADO SPOILERS.

O filme BR 2049 é majestoso, mantém a grandiosidade do filme de 1982, sendo que parece que os dois filmes foram produzidos na mesma época  Assistindo Blade Runner 2049 o espectador consegue notar a magnitude do primeiro filme adaptado do famoso livro Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? de Philip K. Dick.

BR 2049 expande o universo do primeiro filme e nos mostra um mundo onde se progrediu a tecnologia e temos agora novos replicantes muito mais evoluídos tecnologicamente do que no filme de 1982. Agora a corporação Tyrell está nas mãos de Wallace que é intepretado por Jared Leto que quer a proliferação dos replicantes ao redor do planeta e fora também como escravos. Temos o policial K , ou também Joe, vivido pelo ator requisitadíssimo Ryan Gosling que tem uma namorada holográfica e está atrás do filho de uma replicante, após através de uma investigação da policia se descobrir que uma criança tinha nascido dela. Ryan Gosling vai atrás do caçador de replicantes Rick Deckard (Harrison Ford) do filme de 1982 que é o pai da criança. Adorei ver Harrison Ford reprisando seu icônico personagem, um dos papéis mais importantes de sua carreira de ator. E Jared Leto está muito bem em seu papel.

Um filme brilhante!!!! Que leva também a diversas reflexões com o filme de 1982, como a busca do homem pela vida eterna no plano terrestre e muito mais. Não sei não, mas de acordo com o seu terceiro ato, o filme deve ganhar uma continuação. Resta-nos aguardar! Não posso terminar o texto sem falar da maravilhosa trilha sonora de Hans Zimmer e Benjamin Wallfisch. Grandiosa.

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – Marte Ataca ! (1996).

Por Calil Neto

17 de outubro de 2017.

Eu particularmente curto bem mais os filmes do começo de carreira do diretor Tim Burton, que costumam trazer para mim um ar de nostalgia, como Os Fantasmas se Divertem (1988), que eu amo, Edward Mãos de Tesoura (1990), que passava e continua passando muito na Rede Globo, um clássico de sessão da tarde,  Ed Wood, a biografia do tido como o pior diretor de filmes de todos os tempos, e esse Marte Ataca! (1996), que vi faz muito tempo atrás pela primeira vez em VHS. Acredito que esse deve ser um dos trabalhos menos sombrios do diretor. Ou seja não é sombrio.

Tim Burton além de dirigir o longa, também o produz, com a presença nele de mega astros de Hollywood, como Jack Nicholson, que para mim é um dos maiores atores de todos os tempos do cinema norte-americano e faz papel duplo, o presidente dos Estados Unidos  e o dono de um cassino, Glenn Close, Pierce Brosnan, o sumidão Danny DeVito ( o eterno Pingüim de Batman: O retorno de 1992), que faz um advogado, Sarah Jessica Parker (bem antes do seriado de sucesso Sex and the City), que é uma figura neste filme, e a partir de um momento fica com a cabeça de seu pequeno cãozinho, o ator Michael J. Fox, e até o cantor lendário Tom Jones, que além de cantar também atua no longa.

Eu tenho quase que certeza que os caras que trabalharam no roteiro desse belíssimo e divertidíssimo filme de Tim Burton, se basearam no longa Independence Day para a idéia do filme, que estreou nos cinemas dos Estados Unidos antes de Marte Ataca!. Devem ter visto o bem sucedido filme do alemão Roland Emmerich, que trata da mesma temática de invasão alienígena, e quiseram fazer uma espécie de paródia ou uma versão debochada. Pode parecer até bobagem!  Falam que Marte Ataca! é uma paródia dos filmes clássicos sci-fi dos anos 1950.

MEOOOOOO DEUS!!! Quase todos os grandes atores de Holywood do filme morrem! Mas é um grande filme da carreira de Tim Burton, um dos meus favoritos, além de ser muito bem produzido, com todos aqueles alienígenas animados, para os padrões dos anos 90!!! Os anos 1990 também têm seus bons filmes!!!

 

Nota: 3,5 de 5,0.

Review – Invasão Zumbi ( Train to Busan – Coréia do Sul – 2016).

Por Calil Neto

15 de outubro de 2017.

Invasão Zumbi (2016) ou Train to Busan no título como é conhecido nos Estados Unidos ( ou  Busanhaeng, no título original) é uma das grandes surpresas no subgênero zumbis oriundo da Coréia do Sul. O longa O Lamento ( The Wailing) é outra maravilha do gênero terror vinda também da Coréia do Sul.

O longa que foi exibido fora da competição do Festival de Cannes de 2016 é dirigido e escrito pelo sul-coreano Sang-ho Yeon. O filme é belíssimo e trata de um trem ultra-moderno que vai para Busan, uma cidade da Coréia do Sul, e os seus tripulantes todos com seus dramas familiares e profissionais vão enfrentar uma maré de zumbis que se contorcem quase que completamente, com um caprichado trabalho de contorcionismo dos atores figurantes.

Um longa que apesar de ser do gênero terror, tem uma forte carga dramática, com os personagens com seus dramas internos, como o pai que leva a filha para se reencontrar com a mãe. Um belíssimo filme que me deixou maravilhado em seu terceiro ato. Um filme lindo e que traz uma reflexão para o espectador. Uma obra de arte que deixaria muitos dos filmes de zumbis de George A. Romero no chinelo.

Um filme brilhante artisticamente. Melhor do que eu esperava. Muito melhor até que o longa Guerra Mundial Z (2013) com Brad Pitt.

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – It: A Coisa (2017).

Por Calil Neto

21 de setembro de 2017. 

It: A Coisa (2017) é a primeira parte de duas da nova adaptação do livro clássico homônimo do escritor norte-americano Stephen King. Em 1990 tivemos a minissérie It: Uma Obra Prima do Medo dirigida por Tommy Lee Wallace de A Hora do Espanto 2 com o astro Tim Curry na pele do antagonista Pennywise. O longa It: A Coisa (2017) é dirigido por Andy Muschietti, que despontou em Holywood com o sucesso de Mama (2013), adaptação de seu elogiado curta de 2008 com produção executiva de nada mais nada menos que o mexicano Guillermo Del Toro. Será que o cara vai se tornar um mestre na arte de dirigir filmes de horror?

Sabe aquele filme que você demora para digerir pela sua tensão e depois de assimilá-lo você vê que é foda!!! Bem no climão dos anos 80. Parece com sua belíssima direção de arte que realmente acontece nos anos 80!!! No roteiro de Gary Dauberman, Cary Fukunaga e Chase Palmer, com Seth Grahame-Smith como um dos produtores temos um grupo de garotos bem na passagem da infância para o começo da adolescência na cidade de Derry que vão enfrentar um palhaço dançarino do mal conhecido por Pennywise, interpretado muito bem pelo jovem ator sueco Bill Skarsgård, que com certeza ficará eternamente lembrado pelos cinéfilos por esse personagem do caos. Que atuação aliada aos efeitos digitais de hoje!!! E quando o palhaço abre a boca e saem aqueles dentes enormes? Fazia tempo que não via uma atuação dessas dentro de um filme do gênero!!! Desbancou muitos antagonistas de filmes de James Wan. Me fez lembrar do ator Heath Ledger na pele do Coringa em Batman: O cavaleiro das Trevas. Mesmo que o filme não seja um filme de horror, mas sim um filme de super-heróis, que sempre será lembrado pelo papel!!!

Esse filme e com certeza a sua seqüência na fase adulta dos personagens deixam o seriado dos anos 90 no chinelo. It: A Coisa bateu o filme clássico O Exorcista de 1973 na bilheteria dos filmes de terror mais assistidos da história. E o filme de William Friedkin já tem mais de 40 anos de seu lançamento!!!

E neste texto que é escrito no dia em que o escritor Stephen King completa 70 anos é mais que um presente de aniversário com It: A Coisa atingindo o ápice nas bilheterias de todos os tempos. É a consagração do mestre do horror norte-americano!!!

E que o filme seja muito premiado!!!

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – A Ilha das Almas Selvagens (1932).

Por Calil Neto

18 de setembro de 2017.

Filme com o ator Bela Lugosi para mim é tudo, mesmo que não seja entre os papéis principais, ou seja em um papel secundário. Mesmo que seja em alguns momentos do longa já vale a experiência. Lugosi ficou reconhecido mundialmente pelo personagem Drácula do ciclo de monstros da Universal, e participou também do primeiro zombie movie da história do cinema, o longa White Zombie na mesma década de 30 do século passado.

A Ilha das Almas Selvagens ( Island of Lost Souls – 1932), dirigido por Erle C. Kenton, é a primeira adaptação do livro clássico A Ilha do Dr. Moreau (1896) de H.G. Wells (1866 – 1946), o mesmo de A Guerra dos Mundos, e com destaque também para o ator Charles Laughton, o interprete do Quasimodo do longa O Corcunda de Notre Dame  de 1939. Atuou também no belíssimo épico Spartacus (1960). Só por curiosidade o próprio escritor H.G.Well não curtiu muito o filme, por não ser totalmente fiel ao livro. Na trama do filme temos um cientista maluco, Dr. Moreau (Charles Laughton) que acha que é um Deus com suas descobertas, e faz as suas loucas experiências criando homens-animais da ilha. Bela Lugosi interpreta o líder desses homens-animais, que lembram muito um lobisomem.

A maquiagem do filme é muito boa. Ótima para os padrões dos anos 30. O talentoso Charles Gemora foi um dos responsáveis pela maquiagem dos personagens.

Pode parecer piada e uma estranha comparação mas conferindo o filme, me lembrei de alguns filmes como o polêmico Monstros ( Freaks – 1932) de Tod Browning, que tem os personagem deformados, que com certeza influenciou o filme de Erle C. Kenton e também me fez lembrar do clássico de Romero A Noite dos Mortos-Vivos, que viria apenas a ser produzido nos anos 60, quando os personagens em grupo passam a perseguir os protagonistas, o mocinho e a mocinha.

Um ótimo filme. Deslumbrante!!!! Um filme que não deixa de mencionar o darwinismo, a evolução das raças.

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – Silêncio (2016) .

Por Calil Neto

06 de setembro de 2017.

O diretor norte-americano Martin Scorsese acerta em cheio em alguns momentos de sua carreira e dirige algumas obras-primas, como Silêncio de 2016, estrelado por alguns atores em alta em Hollywood, como Andrew Garfield e Adam Driver juntos com Liam Neeson em um papel mais maduro e diferente da atuação em seus action movies. No século XVII dois jesuítas portugueses, personagens de Andrew e Adam Driver, vão ao Japão atrás do padre mentor vivido por Neeson. No Japão está a Inquisição que vai atrás dos cristãos e padres católicos, e pedem a eles que renunciem a sua religião na apostasia e deixe Jesus de lado, pedindo às vezes a cristãos que pisem em uma imagem de Jesus Cristo.

Belíssimo filme visualmente, com belíssimas localidades com competente direção de arte e fotografia.

A produção teve como base o livro Chinmoku ( O Silêncio , 1966), do escritor católico japonês Shusaku Endo.

Após a morte de Jesus, 33 DC, diversos apóstolos de Jesus, entre os 12, foram mortos de maneira drástica por estarem difundindo os ensinamentos cristãos de Jesus. E não foi diferente após milhares de anos com diversos jesuítas ao redor do mundo. Um lindo filme e enriquecedor!

Um dos mais belos filmes desse século! CAPRICHARAM!

Nota: 4,5 de 5,0.

Review – A Noite dos Mortos-Vivos (1968).

Por Calil Neto

12 de agosto de 2017.

A franquia de games Resident Evil e o seriado The Walking Dead praticamente não existiriam sem o filme A Noite dos Mortos-Vivos ( Night of the Living Dead de 1968), que se tornaria um dos mais famosos, um clássico, um cult e um dos melhores filmes de terror da história do cinema mundial. A Noite dos Mortos-Vivos dirigido pelo que seria considerado o pai dos zumbis modernos George A. Romero falecido em julho de 2017, é um filme independente e de baixo orçamento, com roteiro de Romero junto com o lendário John Russo que também interpretou um zumbi no filme e depois lançaria um livro homônimo baseado na história do filme.

A trama é interessantíssima e foi muito inteligente na época, o que tornaria futuramente este filme um clássico e primeiro filme (ooooo precursor) do subgênero dos zumbis modernos comedores de carne de humanos. Na narrativa temos um casal de irmãos Johnny ( Russell Streiner ) e Barbra ( Judith O’Dea ) que vão levar flores no túmulo do pai em um cemitério em Pittsburgh. O engraçado é que aparece um zumbi andando que a principio nem parece um zumbi e o personagem Johnny começa a tirar sarro do zumbi como se ele já soubesse da epidemia de zumbis causada por radiação nas localidades. Não entendi o que Johnny estava querendo dizer ou brincar. Tirar o personagem próprio sarro da criação de Romero? 

O filme foi ousado e por que não dizer revolucionário na época e também por escalar um ator negro para ser um dos atores protagonistas no longa, Ben, interpretado muito bem por Duane Jones. Não era tão freqüente termos atores negros protagonistas de filmes. Só para constar no começo do cinema nos Estados Unidos não tínhamos atores negros, eram atores brancos com a cara pintada de negro. George A. Romero teria se baseado em dois filmes clássicos de terror para realizar A Noite dos Mortos-Vivos, Carnaval de Almas ( Carnival of Souls de 1962 ) de Herk Harvey  e Mortos que Matam ( The Last man in Earth  de 1964), uma das adaptações do livro Eu Sou a Lenda, de Richard Matheson.

Um belíssimo filme, com a sua fotografia em preto e branco, que com certeza está no meu e no de diversas pessoas no TOP 10 dos melhores filmes de terror de todos os tempos. Um filme divisor de águas que daria origem a primeira trilogia clássica de mortos de Romero ! Um filme do gênero para ser visto e revisto sempre !!!!

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – Ninguém segura esse bebê (1994).

Por Calil Neto 

30 de julho de 2017.

Ninguém segura esse bebê ( Baby’s Day Out – 1994) é uma das pérolas divertidas dos anos 90 dirigida por Patrick Read Johnson e escrita por John Hughes roteirista de Esqueceram de Mim 1 e 2 e  Beethoven: O Magnífico (1992). Esse filme mexeu comigo nos anos 90, minha adolescência, e me divertia muito com ele. Tenho um carinho especial por ele.

No roteiro temos 3 patetas, sendo Eddie, o cabeça do grupo interpretado pelo ótimo Joe Mantegna, o barbicha Norby (Joe Pantoliano) e o grandalhão Veeko (Brian Haley) que estão atrás para seqüestrar o filho de magnatas, o bebê Bink, interpretados pelos irmãos gêmeos Adam Robert Worton e Jacob Joseph Worton,  que na época tinham entre 1 e 2 anos de idade. Temos um porém: o bebê é inalcançável. No elenco temos também Cynthia Nixon a Miranda de Sex and the City (1998-2004) que interpreta a babá Gilbertine e a atriz Lara Flynn Boyle que fez a Donna do belíssimo seriado Twin Peaks de David Lynch e Mark Frost.

Para quem é da época um filme memorável.

Nota: 3,5 de 5,0.