Review – Toni Erdmann (2016).

Por Calil Neto

25 de abril de 2017

Toni Erdmann dirigido e escrita pela cineasta alemã Maren Ade e elogiado no Festival de Cannes foi a representante da Alemanha na categoria de melhor filme estrangeiro no Oscar 2017, mas não levou a estatutueta, perdendo para o filme iraniano O Apartamento, e mostra a relação de uma pai, provavelmente já aposentado e a filha, que é uma profissional bem sucedida em consultoria. O pai cria uma segunda identidade se chamando de Toni Erdmann e se relaciona com a filha que entra na onda do pai.

Um filme que reflete a amorosidade do pai com a filha, e o amor da filha com o pai. No primeiro ato o espectador pode pensar que o pai é um cara sem noção que anda atrás da filha, mas ao decorrer do filme você percebe que ele, que em boa parte da vida não era muito presente na vida da filha (por parte dos dois), estava a querendo ajudar. Um filme nonsense em alguns momentos e meio louco (como o momento da festa de nudistas e o momento em que o pai se veste com uma estranha fantasia, que não sei o quê representa), mas que não deixar de ser um belo filme. Peter Simonischek está muito bem na pele do pai da filha Inês, Sandra Hüller, que também está muito bem.

Nota: 3,5 de 5,0.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s