Mês: dezembro 2016

Review- A Ilha dos Monstros (It’s Alive III: Island of the Alive – 1987).

itsalivpart318

Por Calil Neto

A Ilha dos Monstros (It’s Alive III: Island of the Alive- 1987) é o último filme da fantástica trilogia norte-americana It´s alive, que começa com I´ts alive (Nasce um Monstro de 1974), seguido do superior A Volta do Monstro (It lives again – 1978), todos dirigidos por Larry Cohen, que é o criador dos personagens desenhados por Rick Baker neste terceiro longa. Como se vê tanto Larry Cohen e Rick Baker são competentíssimos e muito criativos. Para quem não sabe Rick Baker é especialista em efeitos visuais e maquiagem. Ele foi também supervisor de efeitos especiais em Gremlin 2: A Nova Geração (1990).

A trilha clássica do Monstro é composta pelo lendário Bernard Herrmann e a distribuição dos três filmes que não mencionei nos outros dois textos é da Warner Bros, e neste terceiro filme, que percebe-se que teve mais recursos, eu achei o mais fraco da trilogia. O que pode aumentar a minha nota deste post é a participação da lendária atriz de filme de terror Karen Black, do filme para a televisão que é cultuado por muitos fãs pelo mundo, Trilogia de Terror (1975), e chegou a trabalhar até com o diretor-astro inglês, o saudoso Alfred Hitchcock.

CUIDADO MUITOS SPOILERS.

Stephen Jarvis (Michael Moriarty, que está ótimo em seu papel) tem seu filho Jarvis que sofreu uma mutação genética, assim como as outras crianças da franquia, por causa de uma droga produzida que é responsável por essa mutação que tem gerado essas crianças que ocasionaram o caos em diversas cidade norte-americanas. O pai Stephen tem medo do filho mas quer impedir que a Justiça o prenda e mate, assim como diversos personagens ao longo da franquia que querem proteger seus filhos com anomalia. Enquanto têm aqueles (policiais, agentes federais, cientistas ou até a Justiça) que querem exterminá-los para não gerar um caos na sociedade americana.

A atriz Karen Black ótima como sempre!
A atriz Karen Black ótima como sempre!

Ellen Jarvis (a talentosa Karen Black) se separa do marido Stephen, após saber que o filho que nasceu é um monstro. Stephen escreve um livro para falar da sua relação com o filho-monstro Jarvis e fala também de sua relação com a mãe.

its-alive-iii-island-of-the-alive-1987-4

Os pequenos monstros são levados para uma Ilha, está aí, o porquê do nome do longa ser Ilha dos Monstros, onde eles são isolados da sociedade. E o pai Stephen junto com alguns desbravadores após alguns anos de isolamento do filho, vai querer se reencontrar com o filho, que assim como as outras crianças, cresceram e Jarvis vai dar um neto para Stephen e Ellen.

its-alive-iii-island-of-the-alive-1987-3

Quando o espectador presencia os monstros agora grandes percebe-se que são pessoas vestidas de monstro com mutação. É tosco, mas faz parte do divertimento! Sem esse terceiro filme, a saga dos monstrinhos não estaria completa.

PhotoELF Edits: 2009:12:09 --- Saved as: 24-Bit 98% JPEG YUV444 --- batch crop --- crop 2009:12:07 --- Batch Resized

RESUMINDO: A FRANQUIA É SENSACIONAL. DIVERTE. É TRASH E TOSCA E DÁ VONTADE DE REVER DE VEZ EM QUANDO.

Nota:3,0 de 5,0.

Review – Beyond the Gates (2016)

beyondthegates
Imagem: Instagram

Por Calil Neto

Beyond the Gates (2016) dirigido por Jackson Stewart, premiado pelo longa no Los Angeles Festival desse ano, é uma volta no tempo, aos anos 80 e 90, e a era do VHS. Já pela trilha inicial do filme já entramos nos anos 80 e no clima de nostalgia. Segundo o jornal norte-americano New York Times é uma viagem ao inferno através do VHS.

beyond-the-gates

O longa independente de baixo orçamento também é estrelado pela veterana atriz Barbara Crampton (Ainda Estamos Aqui, Road Games), que também é uma das produtoras, que parece uma versão de terror do filme JUMANJI. Dois irmãos John (Chase Williamson, o Dave de John Morre no Final) e Gordon (Graham Skipper) nos anos 90 têm um pai que é alcoólatra e está desaparecido há sete meses e é proprietário de uma loja antiga de locação de fitas VHS. No escritório dessa loja eles encontram um tabuleiro chamado Além dos Portões, titulo do filme, que vem junto com uma fita VHS que sempre aparece a personagem-anfitriã do jogo Evelyn (Barbara Crampton) que dita as regras do tabuleiro macabro que abre as portas para um mundo aterrorizante paralelo.

hqdefault

A galera saudosa que curtiu os VHS nos anos 80 e 90 vão curtir mais o filme, principalmente aquela galerinha que gostava de alugar VHS em locadoras. E é claro os fãs da atriz Barbara Crampton, da época de Re-Animator e Do Além. e que gostam de acompanhar seus trabalhos mais recentes e querem matar a saudades.

vlcsnap-2016-12-09-19h34m04s466-md

Nota: 3,0 de 5,0.

Gremlins 3: A Warner quer que o filme saia do papel.

gremlins-3

Por Calil Neto

Gremlins 3, segundo o ator Zach Galligan, será uma sequência do último filme e realmente deve acontecer. O novo filme que se passará nos dias atuais e vai ter novos personagens e antigos personagens.

Vai ser fantástico eles resgatarem a franquia com um novo filme, como resgataram Caça-Fantasmas. Filmes clássicos dos anos 80! Sei que o reboot-sequência de Caça-Fantasmas não foi lá essas coisas e é incomparável aos filmes dos anos 80, mas valeu a intenção!

 

Review – Eu não sou um serial killer (2016)

Christopher Lloyd as Bill Crowley and Max Records as John Cleaver in 'I Am Not a Serial Killer'

Por Calil Neto

A produção de baixo orçamento Eu não Sou um Serial Killer (I Am Not a Serial Killer-2016) é dirigida  e escrita por Billy O’Brien, diretor também do filme Quarentena (2005), remake do elogiado filme espanhol REC.

Com roteiro de Billy O’Brien e Christopher Hyde, adaptado de um livro homônimo de 2009 de Dan Wells, temos o jovem John (Max Records, do filme Onde Nascem os Monstros de 2009), que é avaliado pelo terapeuta como sociopata, que considera o seu vizinho Bill (o ótimo Christopher Lloyd da trilogia De Volta para o Futuro) na cidade de Clayton um serial-killer, que tem atacado desde os anos 70 e matado as suas vítimas, roubando os seus órgãos.

4896

SPOILERS

No primeiro ato do filme o espectador pode considerar o estudante John um dos principais suspeitos dos crimes por ser fissurado em estudar e escrever sobre serial killers. O espectador pode acrescentar que para John descobrir quem é realmente o serial killer seria uma forma de negar a sua própria história de vida e as suas obsessões.

i-am-not-a-serial-killer_poster_goldposter_com_3Tem um cena em especial que John presencia seu vizinho Bill assassinando um morador do local e pegando os seus órgãos, e passa a segui-lo. Daí o espectador passa a acreditar pela maneira estranha que Bill assassinou sua vítima que ele teria poderes especiais.

No final do filme, nota-se que Bill realmente não é um serial killer. Ou John não seria um serial killer?

Bill é sim uma criatura (com o uso de CGI) que precisa dos órgãos de suas vítimas para ficar com a aparência humana.

tumblr_ocrj3mpkfg1qd9e6bo3_1280

É um filme que falo que não é aquele filme que falo NOOOOSAAAAAA, mas que é interessante.

Nota: 3,5 de 5,0.