Review – Independence Day (1996) e Independence Day: O Ressurgimento (2016).

 

independence day o ressurgimento

 

Por Calil Neto

Não há como negar que Independence Day (1996) foi um sucesso nos anos 90 e um marco para muitos. Na época (para os dias atuais pode parecer um pouco datado) ele foi revolucionário nas mãos do diretor Roland Emmerich. Na época eu era adolescente e os colegas falavam: vai ver esse filme. Ele é bom. Eu fui e curti muito. Me surpreendeu.

Na trama uma guerra entre humanos e extraterrestres que querem dominar o planeta, com a participação no elenco de Will Smith bem antes da fama, Bill Pullman como o presidente dos Estados Unidos, Jeff Goldblum (Parque dos Dinossauros) e Judd Hirsch.

Os norte-americanos lutam contra os extraterrestres nas proximidades do dia 04 de julho, dia da independência dos EUA, e ganham deles exatamente no dia 04. Por isso eles falam que foi um dia também de independência também em relação ao extermínio provisório dos alienígenas da face da Terra.

13327554_942697379172651_5856034614329677014_n
Liam Hemsworth, Jeff Goldblum e o diretor Roland Emmerich.

O filme não há como negar. É um clássico. Sendo atualmente datado ou não.

20 anos depois a sequência vem aí com Independence Day: O Ressurgimento (2016) também com Roland Emmerich com muitos dos atores do filme original presentes. Um personagem que gostei de rever foi o doutor da área 51, Dr. Okun (Brent Spiner) que esteve presente também no primeiro filme, e ficou em coma durante todo esse tempo, saindo do coma e auxiliando seus colegas a exterminar os alienígenas nesse segundo filme.

Achei esse segundo filme moderninho até demais, futurista, com direito a naves voando e muito mais. Não sei parecia em alguns momentos que estava vendo um filme da franquia Star Trek.

Achei o segundo filme bom principalmente na sequência da luta dos humanos contra um alienígena gigantesco no terceiro ato do filme. O filme é bom, até que diverte, mas não é um clássico e nem tem a pegada do primeiro.

Independence Day (1996) – nota: 3,5

Independence Day: O Ressurgimento (2016) – nota: 3,0.

Anúncios

Review – As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras (2016).

maxresdefault

Por Calil Neto

meganfox
Instagram

As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras de Dave Green é lançado em 2016 e é sequência do longa de 2014 com produção do competentíssimo Michael Bay. Eu particularmente acho que o filme deveria se chamar As Tartarugas Ninja 2, mas não reclamo do título que recebeu Fora das Sombras que se refere ao fato das tartarugas se esconderem da sociedade e ficarem às sombras da sociedade.

Com roteiro de Josh Appelbaum e André Nemec temos no enredo o Destruidor, que é interpretado por outro ator, no primeiro foi interpretado por Tohoru Masamune, agora é por Brian Tee (Jurassic World – 2015 e Wolverine:Imortal – 2013) que após fugir com dois outros prisioneiros Rocksteady e Bebop de um camburão de segurança máxima da polícia se une a Krang que é de outro planeta e quer vir para a Terra através de um aparelho de teletransporte para destruir a Terra. O cinegrafista Vernon (Will Arnet) levou todo o crédito pela prisão do Destruidor no primeiro filme e conquistou a fama para não revelar a identidade das tartarugas.

teenage-mutant-ninja-turtles-out-of-the-shadows-trailer-2-928338

 

Com uma substância entregue por Krang, o intelectual e quase cientista Baxter Stockman (Tyler Perry) tranforma os dois prisioneiros em um javali e um rinoceronte, que são muito bem feitos e engraçados, para auxiliar o Destruidor na busca por objetos que unidos vão ativar o teletransportador para trazer o Krang à Terra.  As Tartarugas vão parar até no Brasil. O longa também tem o Casey Jones (Stephen Amell), que deseja ser policial e é um personagem que também esteve presente em um dos filmes da trilogia clássica dos anos 90.

Teenage-Mutant-Ninja-Turtles-Out-of-the-Shadows-leonardo-splinter

 

O longa também tem a participação especial da top model brasileira Alessandra Ambrósio. 

NE2NjuyMtbBN5b_2_b

Um ótimo filme. Divertido. Bem melhor do que o primeiro.

Nota: 3,5 de 5,0.

Review – Invocação do Mal 2 (2016).

James Wan com Vera Farmiga e Patrick Wilson
James Wan com Vera Farmiga e Patrick Wilson

Por Calil Neto

Conferi na telona Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2), continuação do longa de 2013, e filme blockbuster mais aguardado do gênero em 2016, dirigido novamente por James Wan que traz mais um caso de investigação de paranormalidades do casal Ed e Lorraine Warren que vão para Enfield, na Inglaterra para solucionar um caso baseado em fatos reais de uma casa mal assombrada e um caso de possessão envolvendo a garotinha Janet Hodgson.

SPOILERS

A produção tem uma leve menção no começo ao famoso caso de Amityville e após esse caso o casal parte para investigar o caso em Enfiel. No caso um velho morreu em uma poltrona e o espírito do velho começa a atormentar a família de uma casa na Inglaterra. A novata Madison Wolfe está esplêndida em seu papel, em ótima atuação.

Madison Wolfe com Robert De Niro.
Madison Wolfe com Robert De Niro.

 

O melhor do filme é a freira do mal Valak e as suas aparições. A freira foi uma criação de James Wan de última hora e vai ganhar um spin-off como aconteceu com a boneca Annabelle que também ganhará uma continuação.

Madison Wolfe
Madison Wolfe

 

Invocação do Mal 2 é bem mais assustador do que o primeiro filme. Um belo filme de terror. A franquia Invocação do Mal é uma das melhores franquias de terror dos últimos tempos do cinema americano. Bate particularmente até em Sobrenatural. Filmes que são baseados em fatos reais costumam me agradar mais apesar de ter muita ficção e criação na franquia como a criação da freira Valak.

A freira.
A freira.

O longa que tem um enredo interessantíssimo tem uma ótima direção de arte e fotografia como sempre na franquia.

Nota: 3,5 de 5,0.

Reflexões a respeito de Resident Evil 7.

residente7

 

Por Calil Neto

Atualizado 15 de junho de 2016.

O jogo Resident Evil 7, pertencente a um das franquia de survival horror mais amadas dos gamers, foi anunciado na conferência da Sony na E3 edição 2016. O jogo sai para PS4, XOne e PC em janeiro de 2017. O jogo vai estar otimizado para realidade virtual e vai permitir o uso de óculos de realidade virtual no Playstation VR.

Como nota-se na demonstração disponibilizada logo após o anúncio, o jogo é em primeira pessoa e traz de volta o horror tão aguardado pelos fãs. Resident Evil 7 se passa em uma área rural após os evento de Resident Evil 6. E como esse post é de reflexão, lá vão as perguntas. O jogo deve ter bebido muito da fonte do cancelado Silent Hills, também conhecido como P.T.

photo_2016-06-13_23-30-27-765x374

O jogo será um reboot com novos personagens ou vai unir novos personagens com personagens clássicos? Agora todos os jogos da franquia, ou apenas os jogos numerados, serão com câmera em primeira pessoa? Eles decidiram mudar o tipo de câmera de terceira pessoa para primeira pessoa com o intuito de rebootizar a franquia? Ou é apenas um teste para ver se vai agradar ao público?

feat

Pela demonstração disponibilizada nota-se que a franquia amadureceu. É uma franquia mais madura. Os jovens de hoje são diferentes dos jovens de algumas décadas atrás e não querem o mesmo tipo de games de um passado não tão longínquo que os jovens curtiam.  Os fãs hardcores da franquia agradecem, os novos também.

Resident Evil 7 é anunciado na E3 2016.

Por Calil Neto

O trailer de Resident Evil 7 não mostra muito. Deixaram um mistério. Não sei se é um reboot. Mais para a frente a Capcom vai soltando mais informações e novos trailers. O jogo sai para XBOX One. PS4 e PC.

Atualizado

Pela demonstração, nota-se que o jogo possivelmente será em 1a pessoa, e parece que realmente voltou à suas origens. OBS: Quero jogar com personagens em 3a pessoa.

residente7

Kwaidan – As Quatro Faces do Medo será lançado pela Versátil.

46326766

Kwaidan – As Quatro Faces do Medo, um clássico absoluto do terror japonês dirigido pelo mestre Masaki Kobayashi (Harakiri) estrelado por astros do cinema nipônico como Tatsuya Nakadai (Kagemusha) e Takashi Shimura (Viver). Esta Edição Definitiva traz o filme em inédita versão integral restaurada e mais de uma hora de vídeos extras, incluindo um depoimento do diretor. Com base em quatro histórias de fantasmas de Lafcadio Hearn, escritor grego naturalizado japonês, essa obra-prima vencedora do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes é uma experiência assustadora de rara beleza pictórica e sensorial.

Lançamento previsto: 29/06/2016

http://www.livrariacultura.com.br/p/kwaidan-as-quatro-faces-do-medo-ed-definitiva-46326766

Extras

  • Volume: 1
  • Conteúdo: Depoimento de Masaki Kobayashi (15 min.), Entrevista de Kiyoshi Ogasawara (21 min.), O autor de Kwaidan (21 min.) e Trailers (4 min.)

 

Um belíssimo filme!!! Um lindo filme.