DVD e Blu-Ray: Livrai-nos do Mal, Drácula e Maníaco para fevereiro de 2015.

maniac-poster

Por Calil Neto

Aqui estão alguns dos lançamentos para o mês de fevereiro de 2015 nas locadoras do Brasil.

Livrai-nos do Mal – 4 de fevereiro de 2015 pela Sony. 

O policial Ralph Sarchie (Eric Bana) tem uma intuição especial, que sempre o leva a combater casos extremos e perigosos. Em uma mesma semana ele se depara com um bebê jogado no lixo e uma mãe que atira seu filho na jaula dos leões em um zoológico. Intrigado pelos acontecimentos, ele começa a investigar as pessoas responsáveis, suspeitando que alguma força sobrenatural esteja por trás das histórias. Com a ajuda de um padre especializado em demonologia (Edgar Ramírez), Sarchie descobre uma verdade assustadora, muito além do seu mundo cético e racional. Uma das produções mais aterrorizantes de 2014.

121065

Drácula – A história nunca contada – 10 de fevereiro de 2015 pela Universal.

Os habitantes da Transilvânia sempre foram inimigos dos turcos, com quem tiveram batalhas épicas. Para evitar que sua população fosse massacrada, o rei local aceitou entregar aos turcos centenas de crianças. Entre elas estava seu próprio filho, Vlad Tepes (Luke Evans), que aprendeu com os turcos a arte de guerrear. Logo Vlad ganhou fama pela ferocidade nas batalhas e também por empalar os derrotados. De volta à Transilvânia, onde é nomeado príncipe, ele governa em paz por 10 anos. Só que o rei Mehmed (Dominic Cooper) mais uma vez exige que 100 crianças sejam entregues aos turcos. Vlad se recusa e, com isso, inicia uma nova guerra. Para vencê-la, ele recorre a um ser das trevas (Charles Dance) que vive pela região. Após beber o sangue dele, Vlad se torna um vampiro e ganha poderes sobrehumanos. Primeiro filme do reboot da franquia de monstros da Universal.

Crítica-Drácula-A-História-Nunca-Contada-transforma-o-Príncipe-das-Trevas-em-super-herói-1

Maníaco (2012) – 25 de fevereiro de 2015 pela Califórnia Filmes.  

Frank (Elijah Wood) mora e trabalha em uma loja de manequins que foi herdada do pai. O problema é que ele costuma dar um sinistro toque aos bonecos, ele coloca o couro cabeludo de mulheres que ele escalpela. As coisas mudam quando ele conhece a fotógrafa Anna (Nora Arnezeder), com quem desenvolve uma relação bem próxima, algo incomum para o solitário Frank. Só que seus impulsos de perseguir e matar se tornam cada vez mais incontroláveis. É um remake do cult O Maníaco, de William Lustig de 1980.

SÉRIES

THE WALKING DEAD – 4ª TEMPORADA.  

28 de janeiro de 2015 pela PlayArte.

Anúncios

A Festa do Monstro Maluco (1967).

a-festa-do-monstro-maluco-blu-ray-edico-luxo-11192-MLB20040640376_012014-F

Por Calil Neto

Assisti a essa divertida produção americana de 1967, A Festa do Monstro Maluco (Mad Monster Party ?), com nada mais nada menos que o ator icônico Boris Karloff, que fez o Frankenstein e a Múmia dos Monstros da Universal, emprestando a sua voz, ao personagem Baron Boris von Frankenstein que almeja reunir a sua orla de monstros em seu castelo, e anunciar o herdeiro de suas loucas invenções.

A Festa do Monstro Maluco, dirigido por Jules Bass, e com roteiro de Len Korobkin , Harvey Kurtzman e Forrest J Ackerman, com estória de  Arthur Rankin Jr, é uma comédia, musical e animação com bonecos em stop motion ( com captura de movimento fotograma a fotograma), da melhor qualidade, e muito bem produzido por uma equipe competentíssima.

bscap00111

O designer dos bonecos é Jack Davis e o técnico dos bonecos (ou puppet em inglês) é Tadahito Mochinaga, que assina na produção como Tad Mochinaga. Rankin/Bass Productions que foi fundada como Videocraft International, e que ficou conhecida por seus trabalhos com animação através de stop motion, está envolvida na produção.

21025917_20130808211904993

O ator Allen Swift, falecido em 2010, empresta a sua voz para diversos personagens da belíssima e fofa trama como Felix Flankin (sobrinho de Baron Boris), Yetch (que perde a cabeça a todo momento), Drácula, o Homem Invisível, Dr. Jekyll de O Médico e o Monstro. entre diversos outros.

a-festa-do-monstro-maluco-blu-ray-edico-luxo-11185-MLB20040642473_012014-O

A produção é uma miscelânea, com reunião dos diversos saudosos e inesquecíveis monstros da Universal, com filme do King Kong e outros montrengos.

Um longa divertidíssimo e surpreendente, apesar de ter sido produzido nos anos 60, que vai agradar a adultos e crianças.

SUPER INDICAÇÃO.

Nota: 4,0 de 5,0.

TOP 5 DOS FILMES BLOCKBUSTERS MAIS AGUARDADOS PARA 2015.

Por Calil Neto

Aqui está o TOP 5 das produções blockbusters mais aguardadas para 2015 pelo editor do blog Terror no Sofá.

5º lugar) Cinquenta Tons de Cinza.

cinquentatonsdecinza

4º lugar) Poltergeist: O Fenômeno.

poltergeist

3º lugar) Jurassic World – O mundo dos dinossauros.

jurassicworld

2º lugar) O Exterminador do Futuro: Gênesis.

o-exterminador-do-futuro-genesis

PRIMEIRÍSSIMO LUGAR.

STAR WAR – O DESPERTAR DA FORÇA.

337959

Belíssimo ano de 2015 no cinema. Belíssimas estréias!!!!

Versátil lança O CINEMA DE HITCHCOCK, digistack com 3 DVDs, que reúne 6 clássicos do mestre do suspense.

10847957_818546404869219_7342275645226165065_n

Por Calil Neto

Corram fãs do Hitch!!!!! A Versátil lança em fevereiro de 2015, em exclusividade com a Livraria Cultura, O CINEMA DE HITCHCOCK, digistack com 3 DVDs que reúne 6 clássicos de Alfred Hitchcock, o mestre do suspense. A caixa apresenta todos os filmes em inéditas versões restauradas, além de quase duas horas de vídeos extras, incluindo documentários e um depoimento do diretor Guillermo Del Toro.

O lançamento está marcado para o dia 06 de fevereiro de 2015 e a pré-venda antecipada já começou na Livraria Cultura. COMPRE O SEU AQUI!

http://www.livrariacultura.com.br/p/cinema-de-hitchcock-o-pack-3-dvds-42753181

Abaixo todas as informações sobre esse grande lançamento:

DISCO 1

REBECCA, A MULHER INESQUECÍVEL (Rebecca, 1940, 131 min.) Com Joan Fontaine, Laurence Olivier e George Sanders. Jovem humilde se casa com um homem rico. Quando ela se muda para a mansão do novo marido, vive sob a sombra de sua ex-mulher, que todos amavam e morreu de forma trágica.

O HOMEM QUE SABIA DEMAIS (The man who knew too much, 1934, 75 min.) Com Peter Lorre, Leslie Banks e Edna Best. Casal de ingleses tem sua filha sequestrada após um agente secreto lhes contar, instantes antes de morrer, de um plano contra um importante governante estrangeiro.

DISCO 2

CORRESPONDENTE ESTRANGEIRO (Foreign correspondent, 1940, 121 min.) Com Joel McCrea, Laraine Day e George Sanders. No início da Segunda Guerra, John Jones é repórter de um jornal de Nova York. Um importante tratado está para ser assinado e ele recebe a missão de trazer as notícias sobre a guerra na Europa.

OS 39 DEGRAUS (39 Steps, 1936, 86 min.) Com Robert Donat, Madeleine Carroll e Lucie Manheim. De férias em Londres, Richard conhece uma mulher misteriosa que lhe diz algo sobre o um homem que está sendo perseguido por envolvimento em uma trama de espionagem. A moça morre e ele decide resolver o mistério.

DISCO 3

QUANDO FALA O CORAÇÃO (Spellbound, 1945, 118 min.) Com Ingrid Bergman e Gregory Peck. O renomado psiquiatra Edwardes começa a trabalhar como diretor de uma clínica para doentes mentais, onde se envolve com uma bela psiquiatra. Cenários de sonhos criados por Salvador Dalí.

INTERLÚDIO (Notorious, 1946, 102 min.) Com Gary Grant, Ingrid Bergman e Claude Rains. Uma mulher é utilizada pelos Estados Unidos para espiar um grupo de nazistas na América do Sul. Durante sua missão, se envolve com um agente americano.

Review – Gingerclown (2013).

1404912183

Por Calil Neto

Conferi essa produção de 2013, Gingerclown, dirigida pelo novato Balázs Hatvani ( do curta scR.I.Pt) nascido em Budapeste, na Hungria, com personagens criados pelo próprio, no roteiro, e edição do próprio. A produção apresenta no elenco alguns atores ícones do gênero horror, como Tim Curry (que interpretou o palhaço Pennywise em It: A obra prima do medo, adaptação de livro de Stephen King) que faz a voz do vilão Gingerclown, tem também Brad Dourif, conhecido pela franquia Brinquedo Assassino, no papel de uma minhoca, Lance Henriksen de Alien, O Exterminador do Futuro e Pumpkinhead na voz de Braineater  e  Michael Winslow, o engraçadíssimo Jones, da franquia Loucademia de Policia, que faz o papel de StomachcrumbleTim Curry foi a primeira opção e escolha para fazer a voz do vilão do enredo, em belíssima escolha, em segunda vez que o ator interpreta um palhaço em filmes.

A produção, foi a primeira de horror-comédia da Hungria a usar a tecnologia em 3D, e foi inteiramente filmada de noite, exceto em uma cena, que foi filmada no último dia de gravação no período da manhã. Muitos dos sets de filmagem eram reais, sendo que muitas das cenas foram filmadas no Budapest Amusement Park (Parque de Diversão de Budapeste).

A produção é um conto de fadas macabros, com o uso de Animatrônica (do inglês animatronics), na criação dos personagens, supervisionado por Balázs Hatvani, em bonecos ou fantoches mecanizados.

pC8CeajRAjMrSfARX2zukegtHW

Ginglerclown, traz na trama diversos adolescentes em busca de diversão e sexo, que se aventuram em um parque abandonado e mal assombrado. A produção é divertida e consegue descontrair o espectador menos exigente.

0c5535fab5ea446fadd8529c79e16fcf

Nota:3,0 de 5,0.

Frank (2014).

337146

Por Calil Neto

Assisti a essa pérola com a participação inusitada de Michael Fassbender (Prometheus e franquia X-Men), dirigida por Lenny Abrahamson, que assina como Leonard Abrahamson (Garage).

Frank (2014) é uma comédia, drama e musical e teve a sua premiere no Sundance Film Festival de 2014. A produção traz no enredo o músico Jon, que é convidado para entrar na banda Soronprfbs, cujo líder é o estranho Frank, que usa uma máscara no rosto em 98% do tempo de exibição. Jon posta os vídeos na internet das sessões de ensaio da banda e com a repercussão recebem convites para tocar no South by Southwest Festival.

O líder da banda da trama é uma homenagem ao músico e comediante britânico Chris Sievey, que morreu em 2010, e tinha o alter ego conhecido como Frank Sidebottom.

O filme apesar de ser um drama, é bem divertido, com interpretação sensacional de Michael Fassbender, com todos os trejeitos e movimentos do corpo de um personagem cômico e atrapalhado.

051bcf93d-1

A produção também tem no elenco a belíssima Maggie Gyllenhaal (Batman: O Cavaleiro das Trevas), no papel de Clara, em uma belíssima atuação, esbanjando sensualidade e talento.

De um ponto de vista pessoal, a máscara que o personagem principal do filme usa, pode ser interpretada como a máscara que o ser humano usa em seu dia a dia, para ser melhor aceito pela sociedade. Para se esconder dos seus medos e inseguranças, e não ser ridicularizado. Um belíssimo filme, com belíssima mensagem.

Nota: 3,5 de 5,0.

Abdução (2014).

8e4093115f36d8fd91056bead79ec21f3e251043

Por Calil Neto

Mais uma produção que entra na onda dos mockumentaries”, ou falsos documentários que estão sendo realizados nas últimas décadas, desde A Bruxa de Blair (1999), e que parecem que não tem data para acabar.

A trama da produção dirigida e produzida pelo desconhecido  Matty Beckerman aborda que os fatos a seguir são baseados em fatos reais, como nota-se em muitos filmes no estilo found footage, e que a filmagem vazou da Força Aérea dos EUA. Há séculos pessoas desaparecem em Brown Mountain, na Carolina do Norte. Segundo uma testemunha local, Max Wood, deve haver óvnis na região. Abdução apresenta no roteiro a estória de uma família que sai para acampar nessas montanhas e fica perdida na região. O pai desta família, Peter Morris (Peter Holden) desaparece, e a sua esposa e filhos vão para uma cabana. Nessa região luzes são avistadas pelos moradores e visitantes e se descobre que tem ligação com abdução alienígena e sacrifícios de humanos.  O filme, como todos os do estilo found footage apresenta cenas filmadas em primeira pessoa, com movimento da câmera acelerado, e um suspense em relação ao destino das personagens.

Abdução (Alien Abduction – 2014) é uma produção ruim e desnecessária, que não agrega nada de novo no gênero das sci-fi, nessa onda de produções no estilo falsos documentários que parecem terem se desgastados com o tempo.  Filme fraco, sem criatividade e bem clichê.

O que salva a produção apenas é alguns nomes de produtores do longa, como Mike Fleiss (da trilogia O Albergue) e Lawrence Bender (de Pulp Fiction – Tempo de Violência).  APENAS.

Nota: 2,0 de 5,0.