Review – Salò ou os 120 dias de Sodoma (Itália – França – 1975).

Por Calil Neto

Depois de muito relutar comigo mesmo e de uma forte resistência finalmente resolvi assistir Salò ou os 120 dias de Sodoma (Salò o le 120 giornate di Sodoma), a polêmica, ousada para a época, e perturbadora produção de 1975 do diretor italiano Pier Paolo Pasolini.

“Salò” tem o enredo baseado no livro “Os 120 dias de Sodoma, ou a Escola da Libertinagem”, obra mais famosa, do escritor libertino francês Marquês de Sade (1740 – 1814). De seu nome surge o termo médico sadismo, que define a perversão sexual de ter prazer na dor física ou moral do parceiro ou parceiros. O longa nada mais é do que uma crítica ao regime totalitário fascista, que dominou a Europa, no período entre as duas Guerras Mundiais (1914-45).

Sade foi perseguido pelo Antigo Regime e pelas tropas de Napoleão, sendo preso diversas vezes, e passado por uma vida amorosa apimentada, tendo experiências sexuais nada comuns.

Pier Paolo Pasolini nasceu no dia 05 de março de 1922, em Bologna, na Itália. Era filho de Carlo Alberto Pasolini, militar de carreira, e de Susanna Colussi, professora primária.

Em 1939, Pasolini graduou-se em Literatura pela Universidade de Bologna. Era homossexual assumido e um artista solitário, e antes de ficar famoso como cineasta tinha sido professor, poeta e novelista.

Realizou estudos para filmes sobre a Índia, a Palestina e sobre a Oréstia, de Ésquilo, que pretendia filmar na África. Seus filmes são muito conhecidos por criticarem a estrutura do governo italiano ( na época, fortemente ligado à igreja católica ), que promovia a alienação e hábitos conservadores na sociedade.

Dirigiu os filmes da Trilogia da Vida com conteúdo erótico e político: Il Decameron, I Raconti di Canterbury e Il Fiore delle Mille e una Notte; obras cinematográficas que renegou em determinado momento da vida.

Pasolini foi brutalmente assassinado em novembro de 1975. Tinha o rosto desfigurado e várias lesões no corpo. Foi encontrado no hidro-aeródromo de Ostia. Os motivos de seu assassinato continuam gerando polêmica até hoje, sendo associados a crime político ou um mero latrocínio. Um processo judicial concluiu que o cineasta foi assassinado por um garoto de programa, que teria o intuito de assaltá-lo.

Apesar destas constatações, a morte de Pasolini continua ainda um mistério.

O longa de 1975, dividido em partes, apresenta na narrativa vários jovens, homens e mulheres (muito belos por sinal), que são torturados e passam por uma tremenda humilhação sexual, tanto psicológica, quanto corpórea, por 4 maldosos libertinos fascistas em um castelo na província de Salò, na Itália, durante a 2a guerra mundial.

Concurso de melhor bumbum...
Concurso de melhor bumbum…

A produção é dividida em 3 partes intituladas O Círculo de Manias, O Círculo da Merda e O Círculo do Sangue. 

Esses jovens são vigiados 24 horas, e caso não obedeçam as regras são colocados em uma lista negra.

Salò ou os 120 dias de Sodoma é um filme com nudez extrema, com direito a exibição das partes íntimas, belas mulheres, sexo, mas não tão explicito, e muita merda, no sentido literal. Os jovens que vivem enclausurados nesse castelo de horrores são obrigados a comerem fezes humanas, e são tratados como cães, com direito a coleira no pescoço. 

O filme de Pasolini, tem também relações homossexuais presentes, tanto entre homens como entre mulheres, que acariciam as partes íntimas um do outro, sendo que tem uma cena peculiar da produção, em que um dos torturadores fascistas, ordena que uma bela moça urine em seu rosto.

Salò foi o último filme de Pasolini, e seria a primeira parte de uma nova trilogia do diretor, desta vez fazendo parte da Trilogia da Morte.

 

Os torturadores sentem prazer na desgraça alheia desses pobres jovens indefesos, sendo o filme em questão doentio e escatólogico com algumas cenas de torturas , que podem chocar o sensível espectador.

É essencial que o espectador se prepare psicologicamente e emocionalmente antes de assistir Salò ou os 120 dias de Sodoma. Eu mesmo, pensei diversas vezes, em desistir de vê-lo, mas fui em frente na minha árdua e prazerosa aos mesmo tempo missão de cinéfilo e estudioso do cinema.

Salò ou os 120 dias de Sodoma foi lançado em DVD no Brasil pela Cinemax, e tem classificação etária para maiores de 18 anos.

Nota: 3,0 de 5,0.

Anúncios

2 comentários sobre “Review – Salò ou os 120 dias de Sodoma (Itália – França – 1975).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s