Mês: outubro 2012

Disney compra Lucas Film e é anunciada nova trilogia STAR WARS.

 Por Calil Neto

A Disney confirmou a compra da Lucas Film, empresa fundada por George Lucas, pelo valor de U$S4 bilhões anunciando um novo filme da franquia Star Wars para 2015.

Em um release oficial, o CEO da Disney, Bob Iger, confirmou que o próximo filme da franquia será o Episódio 7 e que haverá uma nova trilogia, isto é, os Episódios 8 e 9 também estão nos planos para os anos seguintes.

Umas das melhores notícias do mundo do cinema fantástico do ano… Iupiiiiii!!!

Amo a franquia Star Wars!!

Videodrome – A síndrome do Vídeo (1983).

Por Calil Neto

O mesmo diretor de Scanners, Sua Mente Pode Destruir (1981) e  A mosca (1986), o canadense David Cronenberg, é o responsável pela direção de Videodrome – A síndrome do Vídeo (1983), um filme cultuado por uma grande geração de cinéfilos e apreciadores do gênero.

O plot da película, que é ao mesmo tempo repugnante, perturbador e visceral para os olhos do espectador, e foi escrita pelo próprio diretor canadense Cronenberg, é a seguinte:

Max Renn (o talento James Wood) é o diretor e presidente da CIVIC TV, Canal 83, Cabo 12, uma emissora de televisão UHF de Toronto, Canadá, de pequeno porte, que transmite uma programação sensacionalista, desde programa eróticos leves a programas violentos.

Max Renn está sempre em negociação e a procura de novos programas para serem transmitidos pela CIVIC TV, algo que dê audiência para a emissora. O diretor é amigo de  Harlan (Peter Dvorsky), que trabalha na tv, e que consegue interceptar via satélite imagens piratas e ilegais.

Harlan apresenta a Max Renn o Videodrome, uma programação de tv, transmitida de algum lugar do planeta, que mostra torturas e assassinatos de pessoas anônimas. Uma das pessoas envolvidas com esse projeto é o professor e filósofo Brian O’Blivion (Jack Creley), que raramente gosta de aparecer em público e se corresponde com as pessoas através de cartas-vídeo.

Brian O´blivion em uma de suas gravações...
Brian O´blivion em uma de suas gravações…

É Masha ((Lynne Gorman), uma das interessadas em ter seu produto veículado na CIVIC TV, quem informa a associação do nome de Brian O’Blivion ao Videodrome, e que o Videodrome na realidade não é um programação ficcional, mas sim uma programação de tv  com torturas e morte reais, conhecidas do grande público como os snuff movies.

Max Renn, tem pessoas próximas envolvidas ao Videodrome, como a atriz e sua grande paixão Nicki Brand (Deborah Harry), e passa a adquirir alucinações visuais após o contatos com essas imagens.

Mãos ao alto...
Mãos ao alto…

Brian O’Blivion em uma das suas gravações de vídeo explica que após o contato com as imagens do Videodrome, um tumor passa a crescer no cérebro da pessoa de quem as assistiu. Brian O’Blivion, também teve um desses tumores em sua cabeça, e morreu graças as essas alucinações… está aí o porquê dessas mensagens póstumas deixadas via carta-video.

O pior de tudo é que existe uma corporação, a Spectacular Optical, presidida por Barry Convex (Leslie Carlson), que produz Videodrome escondidamente e ilegalmente, e quer possuir a CIVIC TV para transmitir as fortes imagens do Videodrome a grande massa.

Videodrome é uma produção com muito gore, cenas fortes e impactantes, com belíssimos e práticos efeitos especiais para a época, e belíssima maquiagem de Rick Baker, motivos essenciais para ter admiradores até os dias de hoje e conquistar novos apreciadores com o passar dos anos.

Nojento!!!!
Nojento!!!!

Videodrome, nos leva de volta aos anos 80, quando estavam em voga as fitas de VHS, batendo uma saudade no espectador do século XXI, que usa na atualidade as moderninhas mídias de DVDs e Blu-Rays para assistir aos filmes.

Para realizar os efeitos especiais, por exemplo, as fitas usadas e forçadas no abdômem de Max Renn durante as alucinações, são fitas cassetes de videotape Betamax, por serem menores que a usual fita VHS.

Aí que dor!!!
Aí que dor!!!

Videodrome é uma produção que passa uma mensagem ao espectador e é uma crítica social ao poder que a televisão possui de manipular as grandes massas. Um dos melhores filmes do gênero da carreira de Cronenberg.

Em 1989, Videodrome foi nomeado como um dos mais importantes do Festival Internacional de Filmes de TorontoAndy Warhol descreveu Videodrome como o Laranja Mecânica (1971) dos anos 80.

Nota: 3,5 de 5,0

Chernobyl: Sinta a Radiação ( Chernobyl – EUA/ 2012)

Por Calil Neto

Em 26 de abril de 1986, ocorreu o maior acidente nuclear da história, na usina Chernobyl, na cidade de Pripyat, Ucrânia, na Europa Oriental.

Estima-se que cerca de 30 pessoas tenham morrido nos primeiros meses após a explosão e outras milhares ficaram expostas a níveis de radiação capazes de matar a longo prazo por causa de doenças como o câncer.

Na trama, vinte e seis anos se passaram do acidente, e é aí que entra em ação o filme Chernobyl  (Chernobyl Diaries/2012), onde seis jovens turistas resolvem fazer  um passeio nada comum, isto é, visitar as locações em Pripyat, onde outrora, servira de moradia para as famílias dos trabalhadores da famosa usina.

O problema é que agora Pripyat se tornou uma cidade fantasma e contém ainda resquícios de radiação.

Chernobyl tem o roteiro do pop Oren Peli, junto com Carey Van Dyke e Shane Van Dyke  e a produção de Oren Peli, um dos grandes nomes responsáveis pela franquia de sucesso Atividade Paranormal (que já deu o que tinha que dar), um diretor iniciante, Bradley Parker, e elenco desconhecido.

O casal Chris (Jesse McCartney) e Natalie (Olivia Taylor Dudley), o irmão de Chris, Paul (Jonathan Sadowski), e a amiga Amanda (Devin Kelley), juntamente com a norueguesa Zoe (Ingrid Bolso Berdal) e o australiano Michael (Nathan Phillips), e o ex-militar Uri (Dimitri Diatchenko), no comando do grupo, e a sua Van, que parece mais um tanquinho de guerra,  são os corajosos aventureiros.

Em Pripyat, a galerinha corre de cães e de um urso ao longo do percurso, e após um problema no veículo responsável pela vinda da turma a cidade de Pripyat… são forçados a enfrentar dia e noite, dentro e fora da van, para sair da assustadora e maléfica cidadela.

A cidade está abandonada… A radiação pode se agravar na cidade. E a van está quebrada.

Como fugir agora de Pripyat? Chernobyl segue o estilo mockumentary (falso documentários), assim como outros filmes do gênero, como o já citado Atividade Paranormal (2007), A Bruxa de Blair (1999), Cloverfield (2008), o espanhol Rec, entre outros.

SPOILERS…

Monstros?

Durante o andamento do longa, me pergunto quem são as sombras e “personas non gratas” que perseguem os jovens aventureiros na pacata cidade. Quem serão?

Na minha opinião, as sombras que perseguem os jovens são possivelmente moradores de Pripyat, que foram vitimadas pela mesma radiação, e ainda perambulam pela cidade solitária.

 

Algumas cenas de Chernobyl foram filmadas na Hungria e Sérvia, Europa.

Chernobyl foi lançado em DVD pela Paris Filmes.

Vale ou não a pena?

Chernobyl é uma produção fraca, que peca pela ausência de sustos e efeitos visuais. Por ter Oren Peli como produtor, esperava-se mais criatividade.

Pecaaaaaaa também muito pela má interpretação dos atores.

Uma das maiores decepções de 2012. Um filme totalmente desnecessário para os fãs do gênero, sendo que o que apenas enaltece a produção é o nome de Oren Peli como produtor e roteirista da produção. Apenas isso.

Nota: 2,5 de 5,0.

Eles Vivem (1988).

Por Calil Neto

Sempre fui fascinado pelo universo fantástico de John Carpenter, mestre do horror- ação e da ficção científica, que realizou obras primas do cinema do gênero como Halloween (1978) e O Enigma de Outro Mundo (1982). Carpenter além de diretor é também produtor, escreve guiões e músicas para filmes, e ator.

John Howard Carpenter nasceu no estado de Nova Iorque, nos EUA, em 1948, filho de Milton Jean e Howard Ralph Carpenter, um professor de música. O diretor e sua família mudaram-se para Bowling Green, Kentucky, em 1953.

Desde a infância Carpenter foi fascinado por filmes, principalmente pelos westerns de Howard Hawks e John Ford, bem como por filmes de terror e ficção científica de baixo orçamento dos anos 1950, como Forbidden Planet e The Thing from Another World (filme que ganhou um remake do próprio Carpenter), filmando também curtas de horror, antes mesmo de entrar no colegial. 

Estudou na Universidade do Oeste de Kentucky, onde seu pai presidia o departamento de música, transferindo-se depois para a Escola de Artes Cinematográficas da Universidade do Sul da Califórnia em 1968, onde graduou-se em 1971.

Em 1988, com Larry Franco na produção, Carpenter realiza mais uma de suas obras-primas de ficção científica, que é Eles Vivem (They Live), com o pseudônimo Frank Armitage, que é o nome também de um dos personagens da trama.

A idéia para o roteiro de Eles Vivem é oriunda do conto chamado Eight O’Clock in the Morning de Ray Nelson , publicado originalmente em The Magazine of Fantasy and Science Fiction em 1960, envolvendo uma invasão alienígena, e uma história chamada Nada do quadrinhos Alien Encounters.

O protagonista do longa, o andarilho John Nada, é interpretado pelo antigo wrestler ( das lutas livres americanas) e ator canadense Roddy Piper, que após colocar óculos escuros especiais passa a enxergar a realidade de outra maneira.

O andarilho no início da trama de Eles Vivem está a procura de emprego, em uma sociedade onde imperam os interesses de ricas corporações, e os religiosos pregam o fim do mundo. John Nada, como ficou conhecido o personagem, consegue emprego na construção de obras públicas, e graças a FrankArmitage (Keith David) conquista um lugar para morar, comer e tomar banho, isto é, sobreviver em uma sociedade em caos.

Após uma invasão da polícia na região, John Nada descobre em uma casa “clandestina” (ou Igrejinha ?) uma caixa de papelão enterrada dentro de uma parede, onde estão diversos pares de óculos escuros. O personagem pega a caixa, pega um par de óculos,  e depois de um tempo a esconde em um lixão.

John Nada passa a usar esses óculos escuros e a enxergar a realidade de outra maneira. No lugar de certas pessoas passa a visualizar seres de outro planeta, e em panfletos e publicidades da cidade passa a ler mensagens subliminares.

John Nada, Frank Armitage (keith David) e a belíssima Holly Thompson (Meg Foster), aliados a um grupo de “rebeldes” humanos, (que são os responsáveis pela fabricação desses óculos especiais escuros), partem para essa grande guerra interplanetária.

Os ETs dominaram os meios de comunicação, compraram o apoio de alguns humanos, e agora almejam dominar o Planeta.

Pare... É a polícia!!!!
Pare… É a polícia!!!!

É um filme cult por muitos no Brasil, e pelo mundo afora. Um dos melhores da belíssima filmografia de Carpenter!

SUPER DICA!!!!

Nota: 3,0 de 5,0.

REC 3 Gênesis (Espanha – 2012)

Por Calil Neto

Em 2012 é lançado mais um episódio dessa franquia que conquistou um grande público de horror pelo mundo afora.

Em REC 3 – Gênesis, longa do diretor Paco Plaza, produzido pela espanhola produtora FILMAX, com o roteiro nas mãos de Luiso Berdejo (REC/2007), David Gallart (REC- 2007 e REC 2 -2009), e do próprio Paco Plaza (REC- 2007 e REC 2 -2009), o foco principal é o casamento dos pombinhos Koldo (Diego Martin) Clara (Leticia Dolera),  e a festa que acontece logo após a união matrimonial. Entre os convidados está um tio gordinho que teria sido mordido por um cão, e que ao longo da festa de casamento começa a passar mal… É aí que começa a possível contaminação que culminará na destruição de uma festa que tinha de tudo para dar certo.

REC 3 nos primeiros 15 minutos é como um conto de fadas, sem zumbis para perturbar o andamento da festa, o que nos faz, esquecer de que estamos assistindo a mais um tenebroso episódio da saga.

É durante a festa que o tumulto começa, e os noivos Koldo e Clara se separam na multidão de convidados.

A produção em algumas cenas tem o uso da câmera pessoal, em primeira pessoa, no estilo mockumentary, e outras não, parece mais um filme de ação convencional com zumbis.

REC 3 também apresenta em seu enredo, algumas pitadas de humor e brincadeiras com o espectador, como a presença ilustre na festa  de um homem fantasiado do “clone” do personagem BOB ESPONJA, que muda o nome para JOHN ESPONJA, para não ter problemas com OS DIREITOS AUTORAIS do FAMOSO personagem da Nickelodeon.

Na minha singela opinião REC 3 Gênesis é um ótimo filme, mas mesmo assim, inferior e menos sombrio e dark em relação a seus dois antecessores.

Curiosidades:

A atriz Leticia Dolera foi premiada em duas ocasiões na Espanha por sua atuação em REC 3,  como melhor atriz espanhola, na Sant Jordi Awards, edição 2013, e como melhor atriz, na Turia Awards, do mesmo ano.

REC 4: Apocalipse, possivelmente o último filme da franquia, está previsto para 2014, e será dirigido pelo co-criador da franquia, Jaume Balagueró.

Vem com a mamãe?
Vem com a mamãe?

 O quarto filme da franquia se passará após REC 2, e segundo revelações de Paco Plaza, não será um found footage, mas sim um filme convencional. Pelo jeito, caríssimos, estão deixando de lado a marca que consagrou a franquia (do found footage), para seguir por outra direção. Espero que não a estraguem.

Nota: 3,0 de 5,0.

REMAKE DE “EVIL DEAD” TEM O PRIMEIRO TRAILER OFICIAL DIVULGADO

Por Calil Neto

A hora chegou para aqueles que estavam ansiosos pelas primeiras imagens em vídeo do remake de “Evil Dead”, dirigido por Fede Alvarez.

O primeiro trailer oficial do novo “Evil Dead”, que tem o “Livro dos Mortos” aberto e estreia para o dia 12 de abril de 2013 nos EUA, já está no ar galera aterrorizada.

Cinco amigos vão a uma cabana localizada num local isolado, onde descobrirão o “Livro dos Mortos”, que libertará uma força demoníaca.

Após uma recente overdose, a personagem Mia luta para tentar ficar em plena consciência, confundindo os amigos de que talvez possa estar possuída.

Confira por conta própria…

Cuidado com o DEMO… ELE pode está perto de você!!! – 666 Park Avenue

Por Calil Neto

Adaptada por David Wilcox (Fringe) da obra de Gabriella Pierce, 666 Park Avenue estreou em 30 de setembro de 2012 nos EUA pelo canal ABC.

SPOILERS

O drama-horror apresenta Jane (Rachael Taylor, Charlie’s Angels) e Henry (Dave Annable de Brothers & Sisters), um casal que sai do interior para tentar a vida em Nova Iorque, onde são contratados como síndicos-gerentes do Drake, um prédio de apartamentos de um bairro nobre.

O que o lindo casal não sabe é que cada morador do prédio tem seus desejos realizados graças a um pacto feito com o Diabo. Que medo!!!

Interessada em arquitetura, Jane busca conhecer mais sobre a história do prédio. Enquanto isso, ela e Henry são rapidamente envolvidos no luxo com o qual os demais moradores já estão acostumados a viver.

O proprietário do prédio é o carequinha misterioso Gavin Doran (Terry O’Quinn, de Lost e Falling Skies), anagrama para cão nirvana. Gavin é amigo de quem cumpre as obrigações impostas por contrato para morar no prédio e inimigo daqueles que não obedecem as regras, e é casado com Olívia (Vanessa Williams, de Desperate Housewives), que adora se divertir com a elegante vida.

Entre os moradores do prédio estão Brian (Robert Buckley) e Louise (Mercedes Masohn, de The Finder). Brian é um autor teatral , meio tarado e que espiona pelas janelas a belíssima vizinha loirinha Alexis Blume (Helena Mattsson). Alexis passa a fazer parte de sua vida quando se torna assistente de sua esposa, Louise, uma fotógrafa de moda, que logo no primeiro episódio quase é esmagada pela porta do elevador do prédio onde moram.

No prédio também vive Nora Clark (Samantha Logan), uma menina de 14 anos com capacidades psíquicas que rapidamente se torna amiga de Jane, e que diz que no Drake existe um ladrão.

Gavin Doran será a personificação do demônio? Ou o edifício Drake é realmente amaldiçoado?

666 Park Avenue não tem feito muito sucesso com a audiência nos EUA, já estando no quarto episódio (transmitido no dia 21 de outubro de 2012), e luta para conseguir completar sua temporada, o que permitirá a ela chegar a uma possível renovação em 2013.

Será que teremos uma reviravolta?

666 Park Avenue é produzida pela Warner Brothers TV em parceria com a Alloy Entertainment.