Review – Antropophagus ( Itália -1980 ).

Por Calil Neto

SPOILERS

Antropophagus (Itália/1980) é mais um clássico do diretor italiano Aristide Massaccesi, mais conhecido como Joe D´Amato, e narra a viagem de férias de amigos a uma ilha grega abandonada, que é assombrada por um canibal misterioso.

(O filme impressiona o espectador…)

E o canibal demora um pouco para aparecer em cena… Há um certo mistério em revelar o vilão da história.

PARCERIA EASTMAN-D´AMATO…

George Eastman, cujo verdadeiro nome é Luigi Montefiori, que atuou em diversos outros filmes de D´Amato, atua também em “Antropophagus”no papel do MONSTRO canibal, um marco na carreira de Eastman e um marco PARA O CINEMA DE HORROR ITALIANO. 

Eastman também escreveu e produziu Antropophagus. 

No elenco Tisa Farrow, Saverio Vallone, Serena Grandi, Margaret Mazzantini.

CENAS FORTES?

Depois que o CANIBAL aparece… as cenas mais marcantes de Antropophagus são quando o FEIOSO CANIBAL se alimenta do feto de uma mulher grávida e quando ele se auto-alimenta de suas próprias vísceras.

VALE A PENA?

Um filme com muitas cenas de sangue com perseguições, disputas de mulheres pelo mesmo homem, e um passado tenebroso do homem comedor de carne humana, tornando Antropophagus um marco europeu do século XX pelas fortes cenas de gore, e reunindo este fãs e admiradores do diretor pelo mundo todo.

Antropophagus não tem forte apelo sexual como outros filmes da carreira de D´Amato (vide Porno Holocaust”/ 1981 e outros).

Uma grande obra para fãs do horror italiano. Imperdível.

Nota: 3,0 de 5,0.

Anúncios

Plano 9 do Espaço Sideral (1959).

Por Calil Neto

Assisti a biografia realizada por Tim Burton a respeito da vida de Edward Davis Wood, Jr., o Ed Wood (1924-78), e resolvi logo em seguida prestigiar a um dos maiores clássicos cult de ficção científica do diretor, o mais conhecido de sua carreira, Plano 9 do Espaço Sideral (Plan 9 from Outer Space – 1959).

(Considerado por muitos, o pior filme de todos os tempos…)

Plano 9 do Espaço Sideral é um filme americano de baixo orçamento, estimado em 60.000 dólares apenas, que estreou nos EUA, em 22 de julho de 1959, com naves espaciais que eram movidas à cordas (por pessoas que estavam nos bastidores do filme), e narra o domínio extraterrestre sobre o planeta.

Os ETs (que se assemelham e muito com os seres humanos, já que os efeitos especiais e de maquiagens da época não eram evoluídos como são hoje!!!), transformam pessoas em zumbis para estes auxiliarem os alienígenas no domínio do Universo.

Estão em Plano 9 do Espaço Sideral, Tor Johnson e Vampira, que aceitou atuar no filme de Ed Wood, mas sem contracenar com diálogos.

A produção conta ainda com o experiente Bela Lugosi, que morreu durante as filmagens, e foi substituído por um ator inexperiente, Tom Mason, que usava uma capa para esconder o rosto.

Um filme gostoso e aprazível de se assistir, sem violência, com algumas cenas antológicas de monstrengos como Tor Johnson saindo do túmulo após se transformar em um zumbi.

Para quem quer entender melhor como eram feitos os filmes de ficção científica de antigamente (na longínqua década de 50), uma obra de Ed Wood imperdível.

Outros filmes dignos de uma conferida, e também de realização de Ed Wood são: Glen ou Glenda? (1953) e A Noiva do Monstro (1955), ambos com Bela Lugosi.

Recomendadíssimo!

Nota: 3,0 de 5,0.

Review – Quadrilha de Sádicos (1977).

hillshaveeyes

Por Calil Neto

Quadrilha de Sádicos (The Hills have Eyes – EUA- 1977) é o terceiro filme da carreira do respeitado diretor Wes Craven, o mesmo de O monstro do Pântano (1982),  A hora do pesadelo (1984), A Maldição de Samantha (1986)  e Pânico (1996), com script do próprio, e apresenta em sua narrativa uma família que se perde ( após um acidente de automóvel), em uma estrada desértica nos EUA,  e é perseguida por loucos canibais que vivem entre as montanhas. Na trama um a um dos integrantes da família Carter passam então a ser assassinados por esses canibais.

Quadrilha de Sádicos, segue violência similar a um de seus antecessores como o também bem sucedido exploitation Aniversário Macabro ( The Last House on the Left -1972).

A produção teve baixo orçamento e foi lançada em 22 de julho de 1977 em circuito americano.

Originalmente teve a classificação indicativa X, e depois passou a ter classificação indicativo R-RATED. A violência e o tema controverso de  Quadrilha de Sádicos na época gerou o banimento dele na Finlândia, sofrendo cortes e censura em alguns países (como no Reino Unido).

No elenco temos alguns destaques como Dee Wallace (de Grito de Horror – 1981 e ET: O extraterrestre – 1982 e Michael Berryman (de Um estranho no ninho  – 1975).

Uma produção que se torna tosca em alguns momentos, tensa em outros, e com efeitos especiais práticos (nos sangues e mutilações).

Dee Wallace.
Dee Wallace.

Com um adendo: a atuação do talentoso Michael Berryman (ator queridinho de Wes Craven) é fenomenal e ímpar (com caras e bocas) como sempre, e por si só, já vale a pena a experiência de assisti-lo.

A produção é uma mistura de gêneros: horror, western e road movie.

Quadrilha de Sádicos é um clássico da cultuada filmografia do diretor Wes Craven, mas está distante de ser um dos grandes clássicos que abordam o universo dos canibais. Os melhores mesmo são os italianos!!!!

The-Hills-Have-Eyes-1977

Continuação e remake

Quadrilha de Sádicos teve a continuação Quadrilha de Sádicos 2 (1985), dirigida novamente por Wes Craven, e novamente com a presença de Michael Berryman como Pluto no elenco, e uma elogiada refilmagem em 2006, chamado Viagem Maldita, dirigido e escrito por Alexandre Aja. A refilmagem de 2006 ganhou uma sequência inferior em 2007, que recebeu o nome por aqui de O Retorno dos Malditos,dirigido por Martin Weisz.

RECOMENDADO!

Nota: 4,0 de 5,0.

Exit Humanity (Canadá – 2011)

Por Calil Neto

Um filme de mortos-vivos ambientado na Guerra Civil Americana? Sim, é isso mesmo caríssimo leitor do Terror no Sofá. 

Exit Humanity (Canadá/ 2011) é um drama-horror dirigido por John Geddes, dentro do cardápio Bloody Disgusting Selects, e narra sobre a vida de um soldado que participou da Guerra Civil Americana, Edward Young (Mark Gibson), que perde a mulher e o filho após voltar para casa, e tenta sobreviver em um mundo pós-apocalíptico dominado por zumbis.

Edward tem a missão de jogar as cinzas do filho morto em um local adequado para o descanso eterno deste… e lutar junto com os novos amigos Isaac (e a sua irmã Emma) contra as injustiças e maldades causadas pelo tirano general Williams e sua trupe.

Além de matar e fugir de zumbis, Edward almeja descobrir junto com a dita bruxa Eve (Dee Wallace) a cura para a praga que transforma seres humanos em monstros comedores de carne humana.

Quais são os MISTÉRIOS por detrás de Eve? Existirá realmente uma CURA para exterminar a PRAGA DOS ZUMBIS? Os zumbis dominarão o planeta Terra pelos restos dos dias? E Edward será capaz de exterminar o malévolo general Williams?

FILME DE ZUMBIS DIFERENTE.

Um filme de mortos-vivos com uma temática e ambientalização diferentes das outras usuais obras.

Nota: 2,5 de 5,0.

Um Drink no Inferno (1996).

Por Calil Neto

Um Drink no Inferno (From Dusk till Dawn) é uma clássica produção de horror trash de 1996, dirigido por Robert Rodriguez e escrito e produzido por nada mais nada menos que seu compadre Quentin Tarantino, que também atua na obra em questão.

(A trama é a seguinte…)

Dois irmãos foragidos da polícia americana, com dinheiro roubado em uma mala, tentam atravessar a fronteira e chegar ao México.

O contato no México dos irmãos Seth Gecko (George Clooney) e do louquinho Richard Gecko (Quentin Tarantino) é Carlos, que os encontrará ao por do sol, em um bar e boate de striptease para motoqueiros e caminhoneiros, conhecido como Titty Twister. 

E é nesse local… que o bicho vai pegar…, após os irmãos Gecko seqüestrarem um pastor (Harvey Keitel) e sua família em um hotel (motel?) pacato na estrada.

Cabeças irão rolar e muito sangue pingar na tela. E muitos homens e mulheres vampiros vão querer sugar o sangue dos irmãos Gecko e dos freqüentadores de “Titty Twister”. 

O  longa tem grande elenco, como George Clooney, Quentin Taratino, a belíssima Salma Hayek, no papel de uma dançarina com cobras, o mito Danny Trejo, como o bartender Razor Charlie e Tom Savini (que além de ator, é diretor, e também maquiador e técnico em efeitos especiais) como o todo armado Sex Machine.

Conseguirá George Clooney…. ops… Seth Gecko e a galera toda do bar macabro fugir da maldição vampiresca que impera em Titty Twister ? Seth e o irmão conseguirão chegar à cidade de El Ray?

Um Drink no Inferno teve a continuação Um Drink No Inferno 2 – Texas Sangrento ( From Dusk Till Dawn 2: Texas Blood Money) de 1999; e o prequel do primeiro filme Um Drink no Inferno 3 – A Filha do Carrasco (From Dusk till Dawn 3: The Hangman’s Daughter)  de 2000. Em 2014. ganhou um seriado para a televisão: Um Drink no Inferno.

Para quem gosta de ver sangue, monstrengos bem maquiados, e trashismo de primeira é mais uma grande obra da parceria de Robert Rodriguez e Tarantino imperdível.

Gostou?
Gostou?

Nota: 3,0 de 5,0.

O Homem Elefante (1980).

Por Calil Neto

Um filme de co-produção inglesa-americana, O Homem Elefante é um clássico em preto e branco de 1980, dirigido pelo mestre David Lynch (Eraserhead, seriado Twin Peaks). David Lynch também assina o roteiro junto com Christopher De Vore e Eric Bergren.

O Homem Elefante é baseado em parte dos manuscritos do Dr. Frederick Treves (“O Homem-Elefante e outras reminiscências”), interpretado pelo talentosíssimo Anthony Hopkins ( O silêncio dos Inocentes na obra de Lynch, e, em outra parte, do “Estudo da Dignidade Humana” de Ashley Montagu, e apresenta em sua narrativa a história real de um homem com enormes deformidades físicas e incapacidade mental, que sofria preconceito da sociedade inglesa no século XIX.

SPOILERS

Tanto a peça de teatro como o filme se basearam na vida de John Merrick, que devido a uma doença rara sofria de uma deformidade no corpo.

O filme quer honrar a coragem de Merrick diante das dificuldades durante a sua existência.

Joseph (John Hurt) era visto como um monstro assustador no circo onde trabalhava e vivia às custas de sua feiúra para atrair dinheiro a seu dono Bytes (Freddie Jones), que além de o forçar a trabalhar, também o maltratava.

(Joseph era conhecido no circo como O Homem Elefante….)

Homem Elefante?

Segundo detalhes do enredo da obra cinematográfica, a mãe de Joseph, teria sido atacada por um elefante quando estava grávida de seu filho.

(Uma das razões, além da doença de Joseph, pelo jovem ser tratado também como Homem Elefante!!!)

Solução para a deformidade?

O médico Frederick Treves, acaba descobrindo então Joseph no circo onde este se apresentava, e o encaminha  ao Hospital de Londres para ser tratado.

Existirá solução para o problema de Joseph?

Amizades e inveja

É lá no hospital onde Joseph aprende a se comunicar melhor nas falas e nas leituras através do auxílio do médico Frederick Treves, e onde o “monstro” com sua agradabilidade por trás da feia aparência conquista novos amigos e aliados.

Mas como nem tudo são flores, Bytes, seu dono, quer reconquistar seu ganha-pão e fazer de tudo para levar Joseph de volta ao circo.

Fecham-se as cortinas...
Fecham-se as cortinas…

Vale a pena?

Uma belíssima e emocionante produção do gênero drama, que mostra como as aparências enganam, e que nem todo monstro na realidade é um monstro.

Imperdível !!!!

Oscar 1981

O Homem Elefante recebeu oito indicações ao OSCAR de 1981, nas seguintes categorias: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator (John Hurt), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino, Melhor Trilha Sonora e Melhor Direção.

Infelizmente, a produção não conquistou nenhuma estatueta.

Nota: 3,0 de 5,0.

Pink Flamingos (1972).

Por Calil Neto

Figura cativa nos filmes de John Waters, a fortinha Lady Divine (Harris Glenn Milstead) estreia mais um filme do diretor malucão, o Pink Flamingos (EUA), de 1972.

SPOILERS

Divine, (que está com o pseudônimo de Babs Johnson) mora escondida em um trailer com sua mãe Edie que vive em um cercadinho (Edith Massey), e ama comer ovos de galinhas, seu filho Crackers (Danny Mills), que adora fazer sexo entre galinhas, e a companheira de Crackers, Cotton (Mary Vivian Pearce).

Os inimigos de Divine?

O filme apresenta em sua narrativa uma disputa entre a drag queen Divine e o casal Connie e Raymond Marble (Mink Stole e David Lochary) pelo título de “pessoas mais sórdidas e asquerosas do mundo”.

Connie e Raymond são bem malvados e engravidam jovens indefesas, além de vender seus bebês recém-nascidos a casais de lésbicas…

Baixaria?

A produção tem algumas cenas inusitadas de nudez, sexo e muita baixaria mesmo, como um rapaz pelado fazendo movimentos com o corpo e mostrando o seu orifício anal (que coisa gente!!!), a tarada Lady Divine fazendo sexo oral no próprio filho Crackers (opaa!!!), e a mesma comendo fezes de cachorro (nojenta!!!).

Pink Flamingos é um filme trash e de caráter escatológico, realizado com baixo orçamento, que faz uma dura crítica aos bons costumes americanos com um cinema rebelde, subversivo e de contracultura.

Tá servido?
Tá servido?

Uma produção para quem não é cismado com baixarias, e que diverte a um público não tão conservador.

Vale a pena ser conferido!

Nota: 3,0 de 5,0.

Review – Porno Holocaust ( Itália – 1981 ).

Por Calil Neto

Porno Holocaust (Itália) é um clássico da fase caribenha do tarado diretor italiano Joe D´Amato do ano de 1981, com Bruno Mattei na co-direção (não creditado).

O local de filmagem foi em São Domingos, na República Dominicana, na América Central.

(Foi filmado ao mesmo tempo que Erotic Nights of Living Dead de 1980)

A produção retrata a ida de cientistas e marinheiros a uma ilha deserta, onde testes nucleares eram realizados, e o pior é que esse ambiente possui resquícios de radiação que podem afetar a saúde das pessoas…

É nela que esses turistas chegam e são bisbilhotados por um homem negro e monstruoso com o rosto todo deformado por essa radiação química.

Porno Holocaust é um filme pervertido repleto de sexo explícito, lesbianismo, e nudismo, e contém umas pinceladas de horror ao mostrar as atrocidades e mortes dos turistas sendo realizadas por um homem monstruoso e forte, que além de matar, estupra as mulheres que chegam a abandonada ilha.

O ator Mark Shanon, faz o tenente O’Day, Lucia Ramirez faz a mulata Annie (não creditado), Annj Goren faz a Condessa, George Eastman faz Dr. Lemoir, e Joe D’Amato (sim, ele mesmo!!)  faz o pacato repórter (não creditado).

Podemos considerar “Porno Holocaust” um filme trash/ bagaceiro de horror erótico. Uma obra de D´Amato que por ser ruim e risível em alguns momentos se torna um clássico!!!!

Nota: 3,0 de 5,0.