Review – Piratas do Espaço ( Space Truckers – 1996).

Por Calil Neto

22 de junho de 2017.

Será que Piratas do Espaço (Space Truckers – 1996) pode ser considerado o Star Crash do diretor norte-americano Stuart Gordon? Ou o Star Wars de Stuart Gordon? Para que não sabe Stuart Gordon dirigiu algumas pérolas do cinema de horror, adaptações de obras de H.P.Lovecraft como Re-Animator e Do Além.  

Além de dirigido, é também produzido por Stuart Gordon e Ted Mann que também escreve o longa, e com grande elenco como o lendário Dennis Hooper, que interpreta John Canyon, um transportador de cargas em um mundo futurista, e “noivo” de Cindy (Deby Mazar de Batman Eternamente e do fofo Beethoven 2), que juntos a Mike Pucci (Stephen Dorff) carregam uma carga suspeita para o planeta Terra e partem em busca da mãe de Cindy, Carol, que é interpretada por uma das queridinhas do diretor Stuart Gordon, Barbara Crampton, que ficou congelada durante um período e não envelheceu.

Um filme tosco, trash e que não deixa de ser divertido, com algumas tiradas de humor. Muito bem produzido! Um dos vilões, que é metade humano, metade robô, interpretado pelo talentosíssimo Charles Dance, requisitadíssimo no cinema e em séries como o belíssimo Game of Thrones, é demais. Muito legal o seu personagem! Este vilão junto com os seus robôs vão lidar com a trupe de John Canyon.

Esse personagem é foda!

Nota: 3,0 de 5,0.

Review – LEGO Batman: O Filme (2017).

Por Calil Neto

18 de junho de 2017.

LEGO Batman: O Filme é o segundo filme do fantástico e fofo universo cinematográfico do mundo LEGO, iniciado em 2014 com o ótimo Uma Aventura Lego dirigido pela dupla Phil Lord e Christopher Miller.

Para quem não sabe, também temos o seriado do universo LEGO, baseado nos brinquedos LEGO.

Neste segundo longa dirigido por Chris McKay e com diversos roteirista entre eles o genial Seth Grahame-Smith, temos a marca da Warner e Universo DC que são parceiras, no mundo do protagonista Batman e a sua Gotham City tomada pelos bandidos.

Batman junto com a Liga da Justiça, vão lutar contra os vilões do universo DC , entre eles o Coringa, o mais famoso inimigo de Batman, que se uniram aos monstros clássicos dos anos 80 como King Kong e os Gremlins para destruir Gotham. Batman com a ajuda da filha do comissário Gordon que assumiu o seu lugar, Barbara Gordon, também conhecida como Bat-girl e o filho órfão Robin vão lutar contra essa miscelânea de vilões que querem arruinar a cidade.

Um dos universos mais graciosos da atual geração do nosso cinema norte-americano atual, com uma trilha sonora divertida e melosa em alguns momentos. Para as crianças e para os adultos que na infância puderam brincar de LEGO.

O primeiro e o segundo filme, este spin-off, estão no mesmo nível.

Nota: 3,5 de 5,0.

Review – A Maldição dos mortos-vivos (1988).

Por Calil Neto

17 de junho de 2017

A Maldição dos mortos-vivos (The Serpent and the Rainbow – 1988) é mais um filme da filmografia do diretor Wes Craven falecido em 2015. Inspirado no livro de Wade Davis, lembra um pouco do primeiro filme de zumbis da história do cinema, o clássico Zumbi Branco ou White Zombie, da década de 30, de Victor Halperin, que envolve zumbis, ocultismo e vodus.

No roteiro adaptado de Richard Maxwell e Adam Rodman após passar pela Amazônia o antropólogo Dennis Alan vivido por Bill Pullman vai dos Estados Unidos ao Haiti para buscar uma fórmula, ou seja um pó que traz o mortos de volta à vida, e faça com que a empresa que o contratou lucre com a descoberta.

Um dos filmes mais fraquinhos de Wes Craven, que tem uma melhora nos instantes finais do filme com o uso de efeitos especiais práticos. Mesmo apesar de não ser um dos grandes trabalhos do diretor, temos motivos e elementos no filme que podemos considerar e qualificar o diretor Wes Craven como um dos grandes nomes na direção do gênero horror do cinema norte-americano do século XX.

Nota: 3,0 de 5,0.

Review – Cocoon (1985).

Por Calil Neto

10 de junho de 2017. 

Cocoon (1985) é uma das pérolas da nossa televisão brasileira aberta entre os anos 80 e 90. Os filmes da duologia passavam com frequência em nossa TV. Este primeiro filme é dirigido por Ron Howard, o diretor de alguns clássicos do cinema americano como Splash: Uma Sereia em Minha VidaWillow – Na Terra da Magia, do belíssimo Uma Mente Brilhante e as adaptações dos livros best sellers de Dan Brown nos anos 2000.

O primeiro longa tem o roteiro de Tom Benedek, baseado em livro de David Saperstein e mostra a relação de alguns fofinhos velhinhos com extraterrestresque se passam por humanos conhecidos como antarianos em uma pequena cidade da Flórida, nos Estados Unidos. E tem uma piscina com alguns casulos dessa raça de antarianos. Hume Cronyn e Jessica Tandy, que foram casados na vida real também, eram bem atuantes no cinema americano e participaram também de outro clássico sci-fi dos anos 80, o gracioso O Milagre veio do Espaço de 1987Jessica Tandy também atuou em um dos maiores clássicos do mestre Alfred Hitchcock, o maravilhoso Os Pássaros.

 Um dos grandes sci-fi dos anos 80. Uma franquia que tem seus admiradores, principalmente a galera que pôde presenciar e vivenciar essa época. Um filme que não deixa de ser reflexivo, que não deixa de passar uma mensagem existencialista.

O desaparecido Steve Guttenberg, o eterno Mahoney da saudosa série de filmes Loucademia de Polícia, também está no elenco do longa como o proprietário de um barco. Em 1988 temos a sequência do longa com Cocoon 2 – O Regresso.

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – King Kong 2 ( King Kong Lives – 1986).

Imagem: Allstar/DEG

Por Calil Neto 

King Kong 2 ou King Kong Lives de 1986 dirigido novamente por John Guillermin é a seqüência direta do longa remake clássico de 1976 após o King Kong cair do World Trade Center no primeiro filme. Agora o icônico personagem ferido vai precisar de um implante artificial do coração para sobreviver. É quando é descoberto em uma floresta de Borneo uma gorila mulher, a Lady Kong, que poderá auxiliá-lo, e um romance entre os dois irá rolar.

Com boa produção novamente da produtora De Laurentiis Entertainment Group de Dino De Laurentiis para os padrões da época. É estrelado pela atriz Linda Hamilton que interpreta a médica Amy Franklin e que ficaria conhecida mundialmente dois anos antes por sua atuação na franquia O Exterminador do Futuro , no papel de Sarah Connor e no seriado A bela e a Fera no final dos anos 80.

Um longa passatempo, desnecessário, que traz diversão para o espectador apenas na relação e interação entre os dois gorilas e nos efeitos especiais do lendário Carlo Rambaldi.

Nota: 3,0 de 5,0.